sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Lançamento de edição da 'Cartilha da Justiça' é feito em escola de Petrolina

São apresentados assuntos como como bullying e Lei Maria da Penha.
Juizes da região e da Associação de Magistrados Brasileiros


Do G1 Petrolina

Revista da Justiça é lançada em petrolina, PE (Foto: Luana Benardes / TV Grande Rio)Revista da Justiça é lançada em petrolina, PE (Foto: Luana Benardes / TV Grande Rio)
Petrolina é a primeira cidade do estado de pernambuco a receber a nova edição da 'Cartilha da Justiça'.  O lançamento aconteceu nesta quinta-feira (25), cerca de 100 alunos, do sexto e sétimo ano, da Escola Eduardo Coelho, no bairro São José receberam o material. Através de quadrinhos, são apresentados assuntos como como bullying, Lei Maria da Penha, meio ambiente entre outras, com uma linguagem simples e didatica para os adolescentes.
Revista da Justiça é distribuidas para alunos de escola estadual de Petrolina (Foto: Luana Benardes / TV Grande Rio)Revista da Justiça é distribuidas para alunos de
escola estadual de Petrolina
(Foto: Luana Benardes / TV Grande Rio)
Juizes da região e da Associação de Magistrados Brasileiros fizeram o lançamento em Petrolina. “Vai fazer 25 anos em 2017, nós já distribuímos revistas para mais de 13 milhões de crianças e estamos em Petrolina para fazer esse número maior. Neste projeto-piloto, os juízes escolheram a escola e nós vamos para determinados alunos escolhidos pela direção, mas se a secretaria de educação quiser, a gente pode ampliar a distribuição”, explica a coordenadora da revista, Naltir Weber.
A cartilha da justiça existe há 25 anos, mas precisou ser modificada para tratar de temas atuais como o bullying, por exemplo. O formato da revista é em quadrinhos. Cada aluno ganhou um exemplar e o conteúdo da revista vai ser trabalhado em sala de aula. "É importante começar das escolas e eles serem multiplicadores das ações de cidadania. Hoje foi o lançamento de cartilha e opróximo passo é levar para dentro da sala de aula para serem trabalhados com os alunos e professores  e eles multiplicarem nas suas famílias e residências", relata o diretor da Escola Eduardo Coelho, João Vicente.

Projeto de Prevenção de Violência nas Escolas é lançado em Petrolina

Ideia é mediar conflitos nas 45 escolas estaduais de Petrolina, PE.
Vara da Infância e Juventude acompanhou 221 casos de violência e evasão.


Do G1 Petrolina

No Sertão de Pernambuco, para ajudar no trabalho de prevenção a violência nas escolas foi lançado nesta quinta-feira (25) o 'Previne'. O Projeto de Prevenção de Violência nas Escolas tem o objetivo de formar comitês e mediar os conflitos nas 45 escolas estaduais do município. Este ano, A Vara da Infância e Juventude de Petrolina acompanhou 221 casos de evasão escolar, bullying, violência e indisciplina nas escolas da cidade.
O público ficou bem atento na hora de aprender como mediar os conflitos nas escolas estaduais de petrolina. “Como eu sou aluna e mãe, o projeto vai me ajudar a educar meu filho e eles vão estar me aconselhando também”, revela a estudante Marlene da Silva.
Projeto Previne em Petrolina (Foto: Reprodução/ TV Grande Rio)Projeto Previne em Petrolina
(Foto: Reprodução/ TV Grande Rio)
A representante da equipe de Direitos Humanos da Gerência Regional de Ensino (GRE) em Petrolina, Diana Batista, avalia como positiva a realização do projeto. “É muito importante essa participação da preparação dos gestores na prevenção ao bullying, nas situações de violência que ocorrem no ambiente escolar”.
O juiz da Vara da Infância e Juventude de Petrolina, Marcos Bacelar, explica que o resultado desse evento vai ser a formação de comitês com gestores, estudantes e pais de alunos que devem ajudar a combater a violência escolar. “Através dessa capacitação buscar que eles tenham meios de soluções de conflitos das violências ocorridas no ambiente escolar”.
A ideia do previne é reduzir o número desses conflitos nas escolas estaduais da cidade. “Iremos realizar diagnósticos profundos nos ambientes escolares. E a partir daí, realizar dinâmicas que possam promover técnicas de soluções de conflitos por meio de mediação”, destaca Bacelar.

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Adolescente confessa que matou duas meninas porque sofria bullying


POR: DA REDAÇÃO   -   EM COTIDIANO


Após oito meses de investigação, um crime bárbaro foi elucidado pela Polícia Civil. Foto: Reprodução

Após oito meses de investigação, um crime bárbaro foi elucidado pela Polícia Civil de União da Vitória e chocou os moradores da região. Um jovem de 17 anos confessou ter assassinado duas adolescentes na pequena comunidade rural de Linha do Encantilado, em Cruz Machado, no sul do estado.
“De acordo com a confissão, o primeiro homicídio teria sido cometido porque ele gostava da menina, era humilhado por ela e já fazia um tempo que planejava matá-la. A segunda menina foi morta por tê-lo acusado de envolvimento no desaparecimento da amiga”, explicou o delegado de União da Vitória, Douglas Carlos de Possebon. 
O trabalho dos investigadores começou em dezembro de 2015 com o desaparecimento da adolescente Camile Loures das Chagas, de 13 anos. Em abril deste ano, Solange Roseli Vitec, de 17 anos, e amiga da primeira jovem, também desapareceu. As investigações contaram com o apoio da Polícia Militar, do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), Serviço de Investigação de Crianças Desaparecidas (Sicride) e parceria do Corpo de Bombeiros do Paraná e Santa Catarina.
“Seguimos diversas linhas de investigações. Todas as informações que chegavam eram checadas. Foi levantada a possibilidade de elas estarem em prostíbulos em São Paulo e foi investigado. Disseram terem visto um carro vermelho na região, o único veículo vermelho era de um padre e ele também foi ouvido. Foram feitas interceptações telefônicas com autorização judicial e nada foi descoberto. Quase todos os dias, desde dezembro, os policiais tentaram obter informações”, explicou Possebon.
O caso, então classificado como desaparecimento, teve uma reviravolta no dia 8 de junho quando um agricultor encontrou uma ossada cujos indícios apontavam ser de Solange pelas vestes, mochilas e pertences. Em 12 de agosto, agricultores encontraram um crânio, ossos de braços e pertences que seriam de Camile, a primeira vítima desaparecida.Os policiais então decidiram repetir a coleta dos depoimentos. Os investigadores perceberam contradições e nervosismo ao ouvirem o jovem agricultor A.B, que acabou confessando o crime. 
Ainda de acordo com o depoimento, ambas foram mortas por asfixia, a primeira com as mãos do autor e a segunda com a calça da própria vítima. Ele nega ter cometido abuso sexual com jovens.
A polícia aguarda os resultados dos exames nas ossadas encaminhadas ao Instituto de Criminalística, juntamente com material genético, e investiga se o jovem agiu sozinho ou contou com a participação de outra pessoa.O agricultor não possuía passagem pela polícia, foi ouvido na Vara da Infância e Adolescência de União da Vitória e será encaminhado para um Centro de Integração Social (CIS).

Simone Biles e ginastas são criticadas por causa dos músculos e fã dá resposta lacradora


Extra

A foto postada por Simone Biles em uma praia do Rio de Janeiro com Alexandra Raisman e Madison Kocian virou motivo de discórdia no Twitter. As ginastas viraram alvo de bullying por causa dos músculos, mas uma fã das medalhistas deu a melhor resposta.
Quando o usuário identificado como angry hippy escreveu: "Vocês acham isso atraente? Rindo muito", muitos engraçadinhos concordaram. Mas teve gente que saiu em defesa das meninas de ouro dos Estados Unidos e uma resposta chamou atenção.
Ginastas foram criticadas por causa dos músculos
Ginastas foram criticadas por causa dos músculos Foto: Reprodução / Twitter
Crystal McDuffy, uma estudante da Universidade da Flórida tuitou: "Elas são as melhores ginastas do mundo. Eu juro, elas não conseguiram esses abdômens para impressionar um idiota como você". A post viralizou, com mais de 51 mil retuítes e 85 mil curtidas em um dia. Já o post com com bullying foi apagado.
O site Buzzfeed ouviu Crystal sobre a repercussão da resposta e ela disse: "Quando eu tuíto, além de conseguir algumas risadas, meu objetivo é levar as pessoas a refletirem sobre por que elas fazem e dizem as coisas que fazem. Eu acho que esse tuíte cumpriu esse papel".

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Ator Bernardo Schlegel grava para a Campanha EU DIGO NÃO AO BULLYING 2016




Gravamos a campanha contra o #bullying com o ator Bernardo Schlegel. Estará no ar em outubro e queremos ver a participação de todos.#EUdigonãoaobullying #CiaAtoresdeMar'

"É impossível prever o sucesso de um youtuber"


Gaby Reucher (fc)

  • Youtubers RezendEvil, Jout Jout e Kéfera
    Youtubers RezendEvil, Jout Jout e Kéfera
Cada vez mais jovens se expressam através de vídeos no Youtube e tentam novos formatos. Como dar projeção ao próprio canal entre tantos outros? E como lidar com o "bullying"? Mounira Latrache, do Youtube Space, dá dicas.
Os youtubers --usuários regulares do Youtube que postam vídeos próprios na plataforma-- ganham cada vez mais ressonância no mundo. Desde o surgimento do site, em 2005, os internautas experimentam novas formas de produção e consumo de vídeos, na maneira de discutir um tema ou estabelecendo novos formatos.
Em meio a tanta concorrência para dar destaque a um canal, Mounira Latrache revela que o maior que o segredo do sucesso é deixar a imaginação rolar e colocar as próprias ideias em prática. Diretora do celeiro de novos talentos Youtube Space Berlin, aberto em 2015, ela participou do VideoDays, o maior encontro de youtubers da Europa, realizado em Colônia, no oeste alemão.
"O segredo do sucesso é exatamente colocar as próprias ideias em prática, pois em geral os jovens têm boas ideias, e sabem o que realmente funciona e o que a própria comunidade, os fãs e os amigos querem", afirma Latrache. Um tema importante para ela é o bullying online.
DW: Há filiais do Youtube Space em nove países, em metrópoles como Tóquio, Nova York, São Paulo, Toronto e Mumbai. O que é, exatamente, um Youtube Space?
Mounira Latrache: O Youtube Space é um trampolim para futuros youtubers aprenderem coisas novas. Nós oferecemos seminários, por exemplo, sobre como pode ser fácil e rentável produzir vídeos e, também, quais são os fatores de sucesso mais comuns no Youtube. Mostramos aos participantes como desenvolver uma estratégia para seu canal e os ajudamos na produção dos vídeos. No Space é possível alugar estúdios de gravação; especialistas em produção auxiliam os interessados a iluminarem uma sala ou alinhar a câmera corretamente. O Youtube Space é também um local para youtubers se encontrarem e fazerem novos contatos.
Vocês guiam os youtubers para o sucesso, ensinando o que é bem aceito pelos usuários?
Nós tentamos justamente não fazer isso, mas sim ajudar os youtubers a colocarem suas próprias ideias em prática. Nos últimos anos, descobrimos que o segredo do sucesso é bem esse, pois em geral os jovens têm boas ideias, e sabem o que realmente funciona e o que a própria comunidade, os fãs e os amigos querem. Cada canal tem também um público único, que deve ser atendido de forma diferente.
Então vocês não dizem, por exemplo, que prunks (trotes) ou challenges (desafios) ou jogos de perguntas do gênero "Você prefere fazer isso ou aquilo?" estão na moda, e que seria bom fazer algo neste sentido?
Não, a gente não faz isso. Novas tendências também surgem quando eles experimentam novas coisas, que ninguém antes pensava ser possível, e que funcionam. Um bom exemplo é o unboxing. Quem diria que ia virar sucesso um vídeo em que alguém desempacota produtos comprados na frente da câmera? É algo que não dá para prever - e é bom que seja assim e continue.
Todos os termos da linguagem dos youtubers são em inglês. Muitas ideias vêm dos Estados Unidos? Ou há coisas específicas da cena youtuber alemã?
O bom é que em cada nação há uma comunidade própria, também com traços nacionais muito específicos. E a Alemanha tem uma comunidade muito especial. Aqui, por exemplo, tudo é muito conectado, o que não ocorre em todo país. Os youtubers da Alemanha têm conexões firmes entre si, há muitas atividades conjuntas das comunidades, como por exemplo, turnês com a "gang" [youtubers que gravam vídeos juntos e divulgam mutuamente seus links]. Mas, claro, algumas tendências vêm de outros países e também influenciam a Alemanha.
Há também tendências que surgiram na Alemanha?
Sim, por exemplo o youtuber LeFloid com seu formato de notícias. Ele realmente influenciou muitos novos canais que exploram formatos semelhantes, pois tem uma maneira bem diferente de falar sobre as notícias. No início as pessoas disseram que não ia funcionar e que não era muito fundamentado jornalisticamente. Mas assim ele realmente alcança um público-alvo.
A ideia é: "Eu digo para vocês o que me incomoda, nós discutimos, e então vocês me dizem o que não acham bom." Esse é um formato que muitos imitaram. E LeFloid aproveita também os comentários da comunidade e os incorpora em seu próximo vídeo, de modo que a inspiração é mútua.
Ao introduzir o Youtube aos jovens no Youtube Space, você também assume uma responsabilidade em relação a eles? Afinal, as pessoas nem sempre são avaliadas positivamente com um "like", há também críticas fortes em alguns comentários...
É verdade. A comunidade é muito sincera, e às vezes também atinge duramente com as suas críticas. Nós estamos sempre discutindo isso com os youtubers. Em parte é bem dura essa escola por que eles têm que passar. Há muitos anos nós também fazemos uma campanha anti-bullying, dizendo: sejam respeitosos, também online o bullying não é legal.
Claro que os youtubers podem excluir os comentários de seu canal. Mas nós vemos que eles lidam de forma muito aberta com as críticas. Eles dizem, na verdade: "Eu quero que tudo fique do jeito que está", e em geral a própria comunidade dá conta da situação. Aí os fãs dizem, para os comentários de ódio: "Afinal, o que é que você está querendo aqui?"
Isso também apoia a nossa campanha: se todos dissermos "isso não está certo", então as pessoas não vão ter coragem de continuar o assédio. Essa dinâmica mostra que é possível se contrapor ao bullying.
Por outro lado, nós também trabalhamos com as escolas, realizamos oficinas para treinar a competência midiática. Os pais e professores também devem falar abertamente com os jovens sobre como lidar com bullying, ou o que implica se dizerem coisas ofensivas online. Isso é importante, para que os estudantes tenham consciência do alcance de uma ofensa pública. Acho que o mais importante é haver um debate aberto sobre o tema.

OAB promove I Seminário da Infância e Juventude

Da Redação Folha Max

Por meio da parceria entre a Comissão de Infância e Juventude (CIJ) e a Associação Mato-grossense de Pesquisa e Apoio à Adoção (Ampara), a Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB-MT) realiza nesta quarta-feira (24) - data em que se comemora o Dia da Infância - o I Seminário da Infância e Juventude.

O evento acontece das 8h ás 18h no auditório da OAB-MT e reúne os mais diversos temas e abordagens legais relativas aos cuidados e desenvolvimento de crianças e adolescentes. Também contará com apresentação esportiva e exposição dos trabalhos desenvolvidos pelas crianças do programa Rede Cidadã.

As novas perspectivas para o fortalecimento do direito à convivência familiar, educação e saúde serão abordadas pela corregedora geral de Justiça e presidente da Comissão Estadual Judiciária de Adoção (CEJA/MT), desembargadora Maria Erotides Kneip Baranjak, durante a palestra sobre a Lei da Primeira Infância.

Fundadora da Ampara, a advogada Lindacir Rocha Bernardon fala acerca da adoção e os procedimentos legais para o ato.

Autora do artigo utilizado para justificar o projeto que originou a Lei 13.058/2014, que aplica a guarda compartilhada nos casos em que não houver acordo entre o casal que esteja apto a exercer o poder familiar, a juíza da 3ª Vara de Família e Sucessões de Várzea Grande, Jaqueline Cherulli, discorre sobre guarda compartilhada e alienação parental.

No período da tarde, a violência sexual contra criança e adolescente, pedofilia e bullying virtual e pessoal entram em foco no I Seminário da Infância e Juventude.

Juiz da 1ª Vara Especializada de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher da Capital, Jamilson Haddad faz a abordagem sobre a violência sexual contra crianças e adolescentes. Na sequência, o delegado de Várzea Grande, Bruno Lima, fala sobre pedofilia.

O bullying, tanto nas relações pessoais, como no ambiente virtual, será o tema da palestra ministrada pela psicóloga Fernanda Cristina Borges Araújo Jesus.

Já a psicopedagoga Masarela Marques dos Passos falará sobre a educação infantil e a importância do ensino para o desenvolvimento psíquico da criança.

Por fim, o secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), padre Jair Fante, ministra palestra acerca dos cuidados que valorizam a vida.